Uma pessoa da minha família é motorista de aplicativo nas horas vagas. Ela pode pensar que é autônoma e não tem chefe, mas está enganada. A socióloga Alex Rosenblat falando para o jornal Valor (22.07) explica:

  • O Uber exerce significativo controle sobre seus motoristas por meio de um “chefe baseado em algoritmos;

  • Isso invalida outras responsabilidades de classificação de emprego tradicional e o motorista parece autônomo;

  • O preço dinâmico, por exemplo, manda informação para um grupo de motoristas e eles correm para o local da demanda (isto é um chefe?);

  • No cancelamento de uma corrida, os motoristas podem receber uma mensagem de advertência (isto é um chefe?)

O que podemos concluir com isso? Pessoalmente acho que o papel de um chefe, principalmente nos aspectos de liderança, não são substituíveis facilmente embora partes das atribuições podem ser automatizadas.

Um dos impactos possíveis é que podemos gerar crises de CONFIANÇA. Veja o caso de empresas em que os colaboradores são rastreados por geolocalização e pelas interações nos sistemas das empresas. Esse fato deixa todos desconfiados e pode trazer fortes impactos no clima.

Por outro lado, programas de incentivo à produtividade são configurados para indicar aos colaboradores a melhor forma de produzir os resultados desejados.

O certo é que deveremos nos preparar para “gerenciar os algoritmos”. Tecnologia envolve competências técnicas (hard skills) e vai exigir conhecimento e manejo de Big date e de lógicas de processamento.

Tratamos disso sob vários aspectos em nossos eventos presenciais e pela web. 

 

Seja o primeiro a saber de todas as nossas novidades

Se você gostou deste conteúdo e quer receber mais informações sobre gestão de pessoas em seu email, cadastre-se abaixo



Deixe uma resposta

Fechar Menu
×
×

Carrinho